Você sofre assédio moral? Campanha pelo fim do assédio moral

Essas são condutas de empregadores que resultam em humilhação e assédio psicológico

Terça, 05 de Dezembro de 2017, 18:41 h

 

  • Entende-se por assédio moral toda conduta abusiva, sejam gestos, palavras e atitudes, recorrentes que afete a dignidade ou integridade psíquica ou física de um trabalhador.

Essa estratégia é usada com freqüência para que, sob tensão máxima, o trabalhador decida-se por rescindir o contrato de trabalho, afastando-se da empresa impondo-se o ônus da responsabilidade por seu próprio desemprego.

Na maioria das vezes, há constantes ameaças ao emprego e o ambiente de trabalho é degradado.

A chamada administração por estresse torna a equipe que trabalha sob pressão extremamente intolerante com certas limitações humanas. Seduzido pelo agressor, o grupo se recusa a crer que o empregado agredido seja inocente e, de alguma forma, passa a crer que a vítima é cúmplice da própria agressão (que “faz por merecê-la”).

 

 

  • Para ser configurado como assédio moral é necessário que se prove que a conduta desumana e antiética do empregador tenha sido realizada com frequência, de forma sistemática. Um ato de assédio moral pressupõe :

  1. repetição sistemática

  2. intencionalidade (forçar o outro a abrir mão do emprego)

  3. direcionalidade (uma pessoa do grupo é escolhida como bode expiatório)

  4. temporalidade (durante a jornada, por dias e meses)

  5. degradação deliberada das condições de trabalho

 

  • Exemplos frequentes de assédio moral no ambiente de trabalho:

    • as ações podem ser diretas(acusações, insultos, gritos) ou indiretas;

    • exposição de trabalhadores a situações vexatórias, com objetivo de ridicularizar e inferiorizar, afetando o seu desempenho;

    • propagação de boatos e exclusão social;

    • práticas como a exigência de cumprimento de tarefas desnecessárias ou exorbitantes;

    • imposição de isolamento ao empregado;

    • restrição da atuação profissional;

    • rigorosas normas de disciplina;

    • exigência de serviço além das competências pessoais;

    • limite de faltas;

    • imposição de horários injustificados;

    • críticas em público;

    • instruções confusas ou imprecisas sobre tarefas;

    • solicitações recorrentes de trabalhos urgente;

    • atribuição de erros imaginários;

    • impedimento de uso dos equipamentos de trabalho;

    • revistas vexatórias;

    • uso restrito de sanitários.

 

 

  • Consequências do assédio moral no trabalho:

Os efeitos do processo de violência moral são perceptíveis pelo surgimento ou agravamento de doenças que acometem o trabalhador.

 

Estas resultam em sofrimento psíquico e físico:

  • depressão;

  • distúrbios psicológicos;

  • hipertensão;

  • doenças do aparelho digestivo; e

  • em alguns casos, em tentativas de suicídio (bulicídio)

O empregado sente seus efeitos tanto na vida profissional quanto pessoal:

  • interfere na sua autoestima;

  • gera desmotivação e perda da capacidade de tomar decisões;

  • compromete a dignidade e identidade do trabalhador;

  • afetando suas relações afetivas e sociais;

  • pode causar graves danos à saúde física e psicológica, evoluir para uma incapacidade laborativa e, em alguns casos, para a morte do trabalhador.

 

  • O que o trabalhador pode fazer?

O trabalhador raramente associa seu sofrimento à violência moral da qual é vítima. Se você suspeitar que está sofrendo assédio moral em seu ambiente de trabalho procure:

  • seu sindicato e relatar o acontecido;

  • o Ministério Público do Trabalho (MPT); e

  • a Superintendência Regional do Trabalho.

Você também pode recorrer ao Centro de Referência em Saúde dos Trabalhadores, que presta assistência especializada aos trabalhadores acometidos por doenças ou agravos relacionados ao trabalho.

 

  • Para comprovar a prática de assédio:

    • anote todas as humilhações sofridas e quais colegas testemunharam o fato;

    • evite conversas sem testemunhas com o agressor;

Buscar o apoio da família e dos amigos é fundamental para quem passa por um processo de assédio moral.

 

 

Com informações da OIT, do CNJ, do site Assédio Moral no Trabalho

 

Voltar