Trabalhadores e parlamentares se unem na resistência contra a privatização da Eletrobras

Atos na Bahia, na Câmara dos Deputados, na Alerj e em Franca (SP) unem população, eletricitários e parlamentares em defesa do sistema Eletrobras.

Segunda, 14 de Maio de 2018, 10:11 h

Fonte: FNU

A última sexta-feira (11/5) foi marcada por atos em defesa da Eletrobras. Logo pela manhã, em Paulo Afonso (BA), trabalhadores da Chesf saíram às ruas em caminhada para chamar a atenção da sociedade e dos dirigentes públicos para a necessidade de preservação do Rio São Francisco, mostrando a necessidade de defender a Eletrobras/Chesf contra a tentativa de privatização do setor elétrico nacional. A caminhada foi seguida de um ato político.

“Essa é uma grande mobilização em defesa da Chesf e do setor elétrico brasileiro. Toda atenção à questão é urgente, pois a privatização anunciada pelo governo federal significa também a privatização do Rio São Francisco e isso não podemos permitir”, ressalta Raimundo Lucena, diretor do Sinergia e presidente da Frune.

No Rio foi lançada Frente Parlamentar em Defesa do Setor Elétrico

Na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj), aconteceu a Audiência Pública Contra a Privatização da Eletrobras, Furnas, Cepel e Eletronuclear e o lançamento da Frente Parlamentar no Estado do Rio de Janeiro, em Defesa do Setor Elétrico.

A Comissão Especial da Câmara Federal e a Frente Parlamentar são  movimentos suprapartidários de parlamentares contrários à privatização da Eletrobras, com o objetivo de proteger os reais interesses da população contrária ao desmonte do Estado brasileiro, em especial das áreas ligadas à infraestrutura.

O diretor da Associação dos Empregados de Furnas (ASEF), Victor Costa, alerta que diante da possibilidade de desnacionalização do setor energético, que pode levar a um grande oligopólio privado, a privatização pode aumentar as tarifas de energia no país em quase 20%.

“A Eletrobras tem hoje 1/3 de capacidade de energia do país, metade das linhas de transmissão, 70% da transformação de energia elétrica e um agente privado pode influir no preço da energia”, explica Victor.

“Todos os interessados são agentes estrangeiros ligados a nações, especialmente os chineses. As grandes estatais chinesas estão tomando conta do setor elétrico brasileiro”, denuncia o diretor da Associação dos Empregados de Furnas (ASEF).

O golpe no Sistema Eletrobras

Os trabalhadores criticaram a aprovação do relatório na Comissão do Senado da Medida Provisória (MP) nº 814/2017, que facilita a privatização das seis distribuidoras de energia elétrica controladas pela Eletrobras, que atuam nos estados do Amazonas, Acre, Rondônia, Roraima, Piauí e Alagoas.

Segundo os trabalhadores do setor, o governo quer entregar cada distribuidora pelo valor de R$ 50 mil reais.

Também recebeu críticas a apresentação na Câmara do relatório, pelo deputado José Aleluia (DEM-BA), do Projeto de Lei (PL) nº  9463/18, que autoriza a privatização da estatal.

Em Brasília especialista destaca risco de novo racionamento com privatização

A Comissão Especial da Câmara que analisa proposta (PL 9463/18) também realizou audiência na Câmara dos Deputados.  O ex-ministro de Minas e Energia, Nelson Hubner, alertou que da forma como está sendo proposta, a privatização da Eletrobras vai trazer um grande aumento nos custos da energia além de aumentar os riscos de um novo racionamento. Nelson Hubner destacou que até nos Estados Unidos, onde a privatização é uma regra, a área de energia está sob os cuidados do poder público.

O diretor de distribuição da Companhia Energética de Brasília, CEB, Mauro Martineli, destacou que o patrimônio da Eletrobras, só de geração e transmissão, é de 305 bilhões de reais e o governo quer passar a maior parte do controle acionário para empresas privadas por 12 bilhões.”Eles querem vender a empresa unificada, integrada – é um absurdo na minha visão – porque vai ser criada uma mega empresa privada. Uma mega empresa privada que vai ter 31% do mercado, 47% da transmissão, 50% da energia armazenável nos reservatórios, 70% da transformação. Gente o que vai acontecer, vai inibir a competição. Vai acontecer o que aconteceu na Califórnia: manipulação dos preços e a tarifa vai aumentar”, destacou Martineli.

A dirigente Fabiola Antezana , do Stiu-DF e da FNU/CNU, faz um resumo da audiência pública.

 
00:00
00:58
02:07

Audiência emFranca

Em Franca (SP), um dos convidados foi o deputado federal Arlindo Chinaglia (PT-SP). Ele enfatizou que a oposição na Câmara dos Deputados trava uma luta dura contra a privatização, porque Temer se articula com os líderes para aprovar a privatização.

Clique aqui para assistir a audiência em Franca.

Próximos Atos

Para combater o processo de privatização do setor elétrico, os trabalhadores e trabalhadoras do Sistema estão intensificando os debates sobre o tema para mostrar à sociedade brasileira e, principalmente, aos parlamentares, os efeitos negativos da desestatização.

Na próxima quarta-feira (16), será realizado no Rio de Janeiro, um seminário no Clube de Engenharia.

E na sexta-feira (18), está sendo preparado um grande ato em Recife (PE), com a convocação de todos os governadores do nordeste para a reedição da carta contra a privatização da Eletrobras, especialmente contra a privatização da Companhia Hidrelétrica do São Francisco (CHESF). (com informações: agências)

Voltar