Dois meses sem Marielle e Anderson

Em manifestação na Cinelândia (RJ), parlamentares e movimentos sociais cobram solução do caso.

Terça, 15 de Maio de 2018, 10:13 h

(Foto: Clarice Lissovsky)

Fonte: Brasil de Fato

Manifestantes  lotaram  nesta  segunda-feira (14)  as  escadarias  da  Câmara  do  Rio  e  a  praça  da  Cinelândia  para  lembrar  os  dois meses do  assassinato  da vereadora  Marielle  Franco (PSOL)  e  do  motorista  Anderson  Gomes.  Durante  o  ato,  parlamentares e representantes  de  movimentos sociais  cobraram  das  autoridades  a  solução  para  o  crime. 

Amiga  de  Marielle  e  também  defensora  dos  direitos  humanos    a  vereadora  de  Niterói  Talíria  Petrone (PSOL) lembrou  que  a parlamentar  do  Complexo  da  Maré,  que  foi  em  2016  a  segunda  mulher  mais  votada  para  o  cargo  de  vereadora  em  todo  o país, encampava  a  luta  feminista,  LGBT,  negra  e  denunciava  a  desigualdade  social  do  país. 

"Tentaram  silenciar  uma  voz  que  dava  prioridade  no  seu  discurso,  mas  também  no  seu  corpo,  àqueles  e  àquelas  marginalizados  por  um  Brasil  que  não  aboliu  ainda  a  escravidão,  que  não  aboliu  uma  lógica  colonial  que  nos  mata  e  mata  filhos  de  mulheres  como Marielle,  de  mulheres  como  nós. Num  Brasil  em  que  a  cada  100  mortos,  71  tem  a  cor  da  Marielle.  E  isso  não  pode  mais  ser  secundário  na  política", defendeu Talíria  Petrone. 

Para  a  ativista  do  Movimento  Negro  Unificado  (MNU),  Silvia  Mendonça,  as  esquerdas  precisam se  apropriar  das  bandeiras  de Marielle  e  ir  em  direção  aos  espaços  das  periferias  com  o  objetivo  de  ampliar  a  consciência  do  povo.  Silvia  recordou  a  época em que  conheceu Marielle,  em  2014,  quando  as  duas  lutaram  por  justiça  para  a  família  de  Claudia  Silva  Ferreira,  morta  na  Zona  Norte do  Rio  depois  de  ser  arrastada  por  uma  viatura  da  Polícia  Militar  por  300  metros. 

"A  gente  tem  que  sair  daqui  agora  e  sempre  para  buscar  essa  unidade  entre  nós.  Assim  como  essa  burguesia  e  esse  fascismo exercem  essa  unidade,  a  gente  tem  que  ampliar  a  consciência  do  nosso  povo  que  não  está  aqui,  ir  para  os  territórios,  para  as favelas  e  para  os  espaços  onde  nós  não  estamos  conseguindo  trazer  quem  não  está  aqui", clamou  a  representante  do  Movimento Negro  Unificado. 

Em  entrevista  ao  Brasil de Fato,  os  deputados  do  PSOL  Chico  Alencar  e  Marcelo  Freixo  criticaram  o  processo  de  investigação e  o vazamento  de  um  depoimento  até  então  sigiloso.  O  conteúdo  incrimina  o  vereador  Marcello  Siciliano,  do  PHS,  e  o  ex-policial  militar Orlando  Oliveira  de  Araújo,  apontados  como  mentores  da  execução  de  Marielle.  Integrante  da  Comissão  Externa  da Câmara Federal  que  acompanha  o  caso,  Chico  apontou  algumas  falhas  da  investigação. 

"O  que  nós  queremos  chamar  a  atenção  é  para  o  que  nos  parece  falho  na  investigação  até  agora.  O  pouco  cuidado  com  o  carro da  Marielle  que  ficou  num  pátio  exposto,  o  fato  de  não  terem  feito  no  IML  o  raio-X  necessário  para  ver  a  trajetória  das  balas  nos corpos executados,  o  fato  de  as  testemunhas  oculares achadas  pelo  jornalismo  investigativo  não  terem  sido  ouvidas  de  imediato  ou até  antes  pelos  investigadores,  o  fato  de  se  fazer  uma  perícia,  uma  reconstituição  do  episódio  só  56  dias  depois", pontuou.

Já  o  deputado  estadual  Marcelo  Freixo  afirmou  que  o  vazamento  de  depoimento  não  é  compatível  com  a seriedade  e complexidade do  caso. O  deputado  criticou,  ainda,  o  que  chamou  de  oportunismo do  ministro  da  Segurança  Pública,  Raul  Jungmann,  que,segundo ele,  deveria  ter  censurado  a  quebra  do  sigilo  do  caso,  mas  preferiu  elogiar  os  desdobramentos  das  investigações  após  a  notícia do vazamento. 

"É  muito  grave  ver  vazamento  de  uma  investigação  complexa  como  essa.  No  primeiro  momento,  nós tivemos  o  vazamento  e  isso foi  corrigido  pela  Polícia  Civil,  que  fez  com  que  os  depoimentos  não  fossem  mais  online.  Agora,  tivemos  um  vazamento  gravíssimo de  uma  fonte  importante,  de  um  depoimento  dado  à  Polícia  Federal  e  não  sei  com  qual  intenção.  Mas,  evidentemente,  não é compatível  com  a  seriedade  e  complexidade  de  um  caso  como  esse. Sobre  o  ministro  de  Segurança,  quando  ele  comemora a  informação  baseada  em  vazamento,  é  lastimável,  é  um  oportunismo despropositado", criticou  duramente  o  parlamentar  do  PSOL.

Durante  o  ato,  foi  estendida  uma  grande  faixa  branca na  qual  as pessoas  presentes  escreveram  mensagens  em  memória  de Marielle e  Anderson  e  cobraram  justiça. 

Voltar