Engenheiras lutam por creches noturnas

A engenharia Ruth tenta organizar sua rotina para garantir os espaços de militância

Quarta, 23 de Setembro de 2015, 10:34 h

Trabalhar, cuidar dos filhos, da casa e quem sabe estudar, militar e ainda usufruir um lazer. Infelizmente, esta é a rotina de acúmulo de jornada de trabalho de milhares de trabalhadoras brasileiras. A engenheira Ruth não está fora deste cenário e tenta organizar sua rotina para garantir os espaços de militância por meio do enfrentamento do debate da divisão das responsabilidades familiares e domésticas. "Percebemos que há uma naturalização do afastamento das mulheres militantes que se tornam mães. Esta é uma contradição que precisa ser enfrentada, tanto no espaço privado como nos espaços coletivos. Precisamos encampar a luta por creches noturnas, políticas de acolhimento nos sindicatos e partidos e pelo fim do acúmulo de jornadas de trabalho para as mulheres, fruto do sistema patriarcal", afirmou a diretora da mulher da Fisenge, Simone Baía.  

Os quadrinhos têm periodicidade mensal. Contribua você também e ajude a divulgar! As contribuições poderão ser enviadas diretamente para o e-mail da engenheira Eugênia: engenheiraeugenia@gmail.com ou para comunicacao@fisenge.org.br

Será mantido total sigilo de fonte de todos os depoimentos e de todas as histórias enviadas. A publicação é livre, desde que citada a fonte.

 

Voltar