SENGE-RJ repudia a estratégia política que nega o debate e promove o medo

Engenheiros e engenheiras se posicionam de forma veemente na defesa dos direitos humanos, da democracia e da soberania nacional e popular

Quinta, 11 de Outubro de 2018, 17:23 h



O Sindicato dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (Senge-RJ) repudia a escalada de violência política no país e se posiciona de forma veemente na defesa dos direitos humanos, da liberdade, da democracia e da soberania nacional e popular.

Os engenheiros e engenheiras têm papel central na construção de um país soberano e desenvolvido, mais justo socialmente. Não podemos nos calar diante dos efeitos do discurso de ódio fomentado abertamente no processo eleitoral brasileiro.

Resultado da captura de uma frustração política continuamente alimentada pela grande mídia, essa onda de barbárie serve a um projeto de poder que visa retrocessos graves nas conquistas de direitos de trabalhadores e trabalhadoras, de mulheres, LGBTQI, pretos e pretas, populações indígenas, quilombolas, grupos religiosos. O Senge-RJ considera inaceitável que os brasileiros voltem a ter medo de serem o que são, ou de expressarem livremente opiniões e vontades políticas, um medo característico de ditaduras e regimes fascistas.

A extrema direita rejeita o debate de ideias e aposta na intimidação.

O que se assiste no Brasil é o aumento da perseguição – física e virtual – a opositores da extrema direita, favorecida ainda por uma avalanche de notícias falsas distribuídas nas redes. A tentativa de substituir o confronto de projetos pela brutalidade deve ser rechaçada por todos os brasileiros responsáveis. Trata-se de uma estratégia avessa à democracia, e que, em um Estado de Direito, mereceria medidas duras dos órgãos públicos de controle, entre eles o Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Não escapam das agressões nem figuras públicas do campo conservador, nem jornalistas, nem artistas que sempre promoveram a paz, como o mestre capoeira Moa do Catendê, assassinado na Bahia.

Com o avanço no país do que já vem sendo chamado de neofascismo, é impossível não lembrar a ditadura chilena (1973-1990), quando a força, por meio de perseguições, assassinatos, expurgos, torturas, serviu de instrumento para impor aos cidadãos o programa econômico do capital, em particular, do capital estrangeiro.

Destaquem-se, nesse sentido, as atuais propostas da extrema direita, construídas para beneficiar o capital financeiro. Fazem parte deste pacote a criação de duas carteiras de trabalho, distinguindo duas classes de trabalhadores – uma com acesso a direitos trabalhistas, outra, não –, ou o desmonte e a alienação das empresas públicas e dos nossos recursos naturais. Também anunciam o fim do Ministério do Meio Ambiente e de relevantes programas sociais, como as políticas de cotas em empresas e universidades, ou as demarcações de terra para comunidades tradicionais. Tudo em um programa acompanhado de alarmante viés autoritário e ameaças abertas ao ativismo político de qualquer natureza.

A agenda defendida pelo SENGE-RJ se baseia, diferentemente, na afirmação da soberania nacional e na busca por tempos de maior paz e igualdade. Isso significa fortalecer estatais estratégicas, como a Petrobras e o sistema Eletrobras –; uma reforma tributária que aumente a taxação direta sobre rendas e lucros e a reduza para o consumo e os salários (isentando-os até o limite de cinco salários minímos); redução dos juros; proteção ao modelo solidário de Seguridade Social; e a revogação da Reforma Trabalhista e da Emenda Constitucional 95, de modo a recuperar a capacidade do Estado para investimentos públicos, entre outros pontos que buscam justiça social e retomada do desenvolvimento.

O SENGE-RJ estará sempre ao lado da causa da liberdade, da justiça social, do respeito à diversidade e aos direitos de todos os brasileiros e brasileiras, sem distinção.

Abominamos o fascismo.

Nas palavras de Ulysses Guimarães, Senhor Diretas e símbolo da Constituição Cidadã que comemora 30 anos este mês, temos “ódio e nojo à ditadura”.

 

Sindicatos dos Engenheiros no Estado do Rio de Janeiro (SENGE-RJ)

Rio de Janeiro, 11 de outubro de 2018

 

Voltar